sexta-feira, março 03, 2017

[Filme] - LOGAN



Olá galera, hoje vamos falar de um dos filmes mais esperados desse ano. Principalmente entre os fãs de quadrinhos que já não estavam aguentando ver se o filme que prometia despedir de um das versões de personagens adaptados das HQs mais amados e reconhecidos em nossa geração. Hoje, conferimos o último capítulo de Hugh Jackman como Wolverine em LOGAN.

 

Logan é um filme de superação e conquista, dentro e fora da história. Começando com o ator principal, Hugh Jackman, que está em sua oitava (e última) representação do Wolverine nos cinemas desde o ano 2000. Durante todos esses anos, infelizmente, ele passou por roteiros e direções bem problemáticas no Estúdio Fox, apesar de sempre ser considerado pela crítica e pelos fãs como o maior triunfo dessa saga cinematográfica dos X-Men.

 
Já com seus quase 50 anos de idade e lidando com um sério problema de saúde, Hugh não se sentia mais confortável para entrar nas garras novamente do personagem (que exigia um forte condicionamento físico e emocional dele).  Então decidiu entregar para os fãs de Wolverine, que passaram a estar bem presente em sua vida pessoal durante esses anos, o melhor presente de despedida possível: um bom filme que captasse finalmente toda a essência do seu personagem.


A direção veio de James Mangold, que já tinha dirigido o último filme do personagem (The Wolverine, 2013), mas sua visão do filme foi fortemente alterada por imposições do Estúdio Fox, principalmente no terceiro ato do filme e na redução da faixa etária indicada (que já vamos comentar). Em Logan é perceptível a visão pessoal do diretor, principalmente por seu amor aos filmes de faroeste, já que ele dirigiu o remake 3:10 to Yuma, e ao drama pessoal com uma pitada de country, como no outro filme que dirigiu Walk the Line.


James escreveu o roteiro com ajuda do próprio Hugh Jackman, junto outros dois roteiristas que buscavam fazer uma boa adaptação de quadrinhos enfim também: Michael Green (que escreveu bons episódios de Heroes e o infeliz Green Lantern) e Scott Frank (que estava no mesmo barco no filme The Wolverine). A diferença é que desta vez o Estúdio Fox aprendeu com Deadpool que é possível fazer um filme com o mínimo de interferência do estúdio, orçamento consideravelmente baixo e com indicação etária alta que trará um grande lucro e boa recepção na crítica.

Para quem já leu as histórias solos do Wolverine percebe que elas são bem mais maduras e explicitamente violentas do que de outros heróis tão famosos quanto ele. O R-Rated aqui é tão necessário quanto para fazer uma adaptação do Deadpool, Lobo, Punisher ou Sandman. Particularmente, o filme não segue nenhuma história específica, mas há influências notáveis de Old Man Logan e X-Men Uncanny na saga dos Carniceiros.


O filme é uma mistura dos faroestes clássicos, como Shane, com os road movies familiares, como Little Miss Sunshine (ambos ditos abertamente por James como influências diretas ao filme), misturados com longas cenas de ação da mais alta qualidade de brutalidade explícita. A direção foi de deixar o filme mais firme ao chão possível, evitando uso de grandes efeitos especiais e CGI como a tendência dos recentes filmes de super-heróis. 


O destaque principal vai para a atuação de Hugh Jackman e Patrick Stewart que nunca estiveram tão como seus personagens representados, dando uma carga humana e complexa neles como nunca foi visto antes. Também, a grande revelação foi da jovem atriz Dafne Keen que teve o papel complexo da X-23, numa linha tênue entre a selvageria animalesca e a inocência infantil.  


Só cabe elogios ao filme, com todos os sentidos eles fizeram justiça ao personagem e toda sua potencialidade criativa em suas histórias. Logan fez o que muitos filmes de seu gênero não conseguiram fazer, que é tentar fazer um bom filme antes de tentar fazer um bom filme de super-herói. Ele entende seu material de origem, até onde ele se estende e como pode ser adaptado ao cinema. Esse filme é uma carta de amor para todos os que já eram fãs do Wolverine e para aqueles que se tornaram fãs depois de assistir Logan.

domingo, fevereiro 19, 2017

[Filme] Aliados


Olá neblineiros! Tudo bom com vcs?!


Nesse final de semana tive o privilégio de assistir mais um filme bom nas telonas do cinema! “Aliados”, protagonizado por nada menos que Brad Pitt e a linda atriz francesa Marion Cotillard, é um filme dirigido por Robert Zemeckis que superou minhas expectativas, subindo na lista dos melhores filmes que já assisti.


A história se passa na Segunda Guerra Mundial com uma importante missão para executar o embaixador nazista na Casablanca, Marrocos. Ora, falar sobre essa época já não é fácil levando em conta ser um dos maiores pesadelos já vividos na história da humanidade. Requer, portanto, cuidado, atenção, amor para com aqueles devastados da alma até a morte dos seus entes queridos.

Uma mistura de ódio para com aqueles terrores do tempo somado ao amor de dois colegas que se unem com o propósito de eliminar uma figura pública do alto escalão hierárquico, Max (personagem vivenciado por Btad Pitt) e Marianne Baeausejour (protagonizado por Marion Cotillard) devem ser excepcionais em seus trabalhos, além de uma forte conexão e experiência. E tudo isso eles têm de sobra!

De um casal em missão para um casal apaixonado, embora sejam tempos ruins, um pouco de amor caiu muito bem sobre eles e aqui eu faço um parêntese para parabenizar esses ilustres atores que com certeza deram o melhor de si nesse trabalho, pois do meu modesto ponto de vista, a interação e talento dos dois os tonaram impecáveis a título de Oscar. 

Eles casam e tem uma filha. Tudo parece literalmente saído do cinema, se não fosse por um pequeno detalhe: Marianne corre suspeitas de ser uma espiã e estar, por conseguinte, unida aos alemães. Toda essa informação é sigilosa e Max, como se não bastasse sofrer as perseguições da guerra, agora vive de um mal tão grave quanto dormir ao lado de uma mulher, todos os dias, que na verdade pode ser sua pior inimiga. Aquela que é mãe da sua filha, porém, amiga íntima dos nazistas.

O que resta fazer? A investigação começa e a grande “sentença” é decretada: se Marianne for mesma uma espiã, cabe a Max assassiná-la. Se não o fizer, os dois serão.


A coisa parece que ficou bem puxada, não?! E você não faz ideia até realmente checar de pertinho e de preferência nos cinemas! Porque filmes bons como esse merecem serem vistos naquelas poltronas mágicas... e se você é de Londrina, a sala VIP do catuaí é a que está transmitindo! Nem preciso dizer o quanto aquela sala é deliciosa né?! E nem estou ganhando absolutamente nada por essa propaganda! Hahahaha! Apenas para te dar a “dica” que esse filme vale a pena e com uma sala das boas é a combinação perfeita! ;)

E se você já assistiu, deixe sua opinião! Vou adorar bater um papinho!

Uma ótima semana! E até breve!





quarta-feira, fevereiro 08, 2017

[série] Santa Clarita Diet

Oi neblineiros, tudo bem?

A review hoje é sobre uma das novas apostas originais da Netflix: a série Santa Clarita Diet, protagonizada por ninguém menos que a queridinha de Hollywood, Drew Barrymore! 



A sinopse do episódio piloto é a seguinte: "O casamento de Joel e Sheila melhora quando ela desenvolve uma nova personalidade e começa a topar tudo. E pensar que eles eram tão normais..."

MUITA CALMA NESSA HORA! Por mais que pareça, não tem nada tão  pesado acontecendo! Sheila apenas virou um...zumbi! Simples assim. Da noite para o dia! E ela e Joel vão tentar adequar seu novo "estilo de vida" ou seria melhor dizer de morte? para continuarem a ter uma vida normal como corretores de imóveis e com sua filha Abby. Porque é super normal morrer e voltar como uma zumbi que come carne humana né gente? 



A série, obviamente, é uma comédia. O que é uma boa aposta para a netflix já que a Drew é ótima nesse gênero cinematográfico, mas sabem, confesso para vocês que comédias não me prendem. Não me julguem. sou uma garota de ação hohoho. 
Tenho certeza que eu já tinha falado aqui para vocês que a única série de comédia que prendeu minha atenção até hoje havia sido Jane the virgin. Pois é, agora Santa Clarita Diet entrou para minha lista de comédias viciantes também.

A série tem toda uma pegada de comédia trash, típica do conteúdo produzido nos anos 80/90, onde ocorrem várias coisas no sense, absurdas e irreais, mas foda-se ela é tão boa por isso! Você pira nas loucuras que vão rolando e fica louco para saber o que vai acontecer a seguir. A série surpreende sabe? Não é previsível. Ela te tira da monotonia! 

A 1ª temporada completa já está disponível na netflix e ela é composta por 10 episódios. Mal posso esperar por mais! 



sexta-feira, fevereiro 03, 2017

[Livro] Diário de um Banana - Bons Tempos

O décimo volume da série Diário de um Banana, uma febre entre os mais jovens, é o livro de hoje aqui no Livro e Neblina. Conhecida por sua linguagem próxima dos diários e blogs adolescentes, a série mostra seu diferencial ao apresentar ilustrações simples (como tirinhas de jornal, em preto e branco) acompanhando uma narrativa próxima do vocabulário juvenil. As situações cotidianas e facilmente identificáveis pelo público, um dos principais trunfos de seu sucesso, mostram que as aventuras de Greg Heffley devem ter vida longa entre os leitores.

Título Original: Diary of a Wimpy Kid
Autor: Jeff Kinney
Páginas: 217

☁ ☁ ☁ ☁ ☁




O história em questão, de subtítulo Bons Tempos, começa quando a mãe de Greg, saudosista dos tempos em que a tecnologia ainda não era tão presente na vida das pessoas, resolve promover um abaixo assinado em seu bairro para fazer um final de semana entre os moradores sem qualquer tipo de equipamento moderno, como celular, computador, televisão e até mesmo despertador. Greg, um grande entusiasta dos confortos e facilidades que a vida moderna proporciona, entra em desespero só de pensar na ideia da mãe.
As divergências entre as gerações atuais com as antigas é a princípio o tema principal, mas o livro, apesar de curto, está longe de ficar preso aos mesmos conflitos durante toda a narrativa, o que poderia ser até prejudicial à comédia, se renovando constantemente a cada acontecimento. É uma leitura rápida e dinâmica.

A comicidade da história, além de nonsense em alguns momentos, é inteligentemente sutil, uma vez que o livro é narrado na ótica do ‘’banana’’ Greg, caindo no humor involuntário ao demonstrar as fraquezas e pensamentos próprios, causa principal das confusões em que se mete, vítima de seu raciocínio bobo, por vezes ingênuo, mas sempre bem intencionado.

Importante também destacar o bom trabalho feito pela tradução brasileira, que frequentemente deve deparar-se com expressões culturais e convenções tipicamente norte-americanas, presentes inclusive nos desenhos e muitas vezes crucias para a ação do humor, transportando-as para a língua portuguesa de forma muito eficiente.

É nítido que a série, depois de mais de dez volumes já publicados e outros continuamente anunciados, possa apresentar um cansaço em relação aos primeiros livros e um grande risco de esgotamento de assuntos para sua continuidade, mas ainda assim há bons momentos criativos e até mesmo boas surpresas. Diário de um Banana segue sendo um entretenimento de qualidade e uma ótima oportunidade de iniciação na leitura aos menores.

terça-feira, janeiro 31, 2017

[Filme] La la land - cantando estações


Olá neblineiros! Tudo bom com vcs?

O maior evento cinematográfico está chegando e aquelas famosas palavrinhas... “..and the Oscar goes to...” que nos paralisa por alguns segundos, vai tomar as nossas telas no dia 26 de fevereiro. E é claro que eu não poderia deixar de assistir  “LA LA LAND – CANTANDO ESTAÇÕES” que recebeu 14 indicações, incluindo de Melhor Filme, igualando com “Titanic” e “A malvada”.  Só com essa informação já me senti no dever de conferir nas telonas!



Dirigido por Damien Chazelle, que inclusive concorre ao Oscar de Melhor Diretor, a história se passa em torno dos sonhos do pianista de Jazz, Sebastian (personagem contracenado por Ryan Gosling, indicado ao Oscar de Melhor Ator) e pela atriz iniciante, Mia (Emma Stone, que também concorre na categoria de Melhor Atriz). Na cidade de Los Angeles eles se conhecem e se apaixonam perdidamente, ao mesmo tempo que lutam pela chance do emprego que tanto amam.

Obviamente que com 14 indicações a minha expectativa estava lá no céu! Mas preciso te confessar que o filme superou! Logo eu que não sou lá tão fã de musical, o filme ficou incrível com cada parte sonora! Sem falar da pegada vintage que me fez recordar a eterna Audrey Hepburn.

Original é a palavra que me veio à cabeça logo que saí do cinema. Diferente de tudo que temos visto durante anos! E olha que nesses tantos anos tiveram filmes excelentes! No entanto, as características levam você jovem telespectador, que assim como eu infelizmente não é da Era do Ouro do Cinema (filmes hollywoodianos produzidos nos anos 20 aos 60), a embarcar num túnel retrô e ter a mágica oportunidade de ver algo muito semelhante nos dias de hoje! E se puder ter o privilégio de ir ao cinema, muito melhor! Quanto a você que vivenciou os anos 20 a 60... Ora, o que dizer a você?! Seria mais no estilo túnel do tempo nostálgico! Que inveja!

Críticas negativas? Eu realmente não tenho. A fotografia está ma-ra-vi-lho-sa!!! O elenco, mais que perfeito, principalmente os atores principais!!! (Meninas, Ryan Gosling está mais lindo e charmoso do que nuuuuuncaaaaaaaa! Hahahahaha!)

Bom, eu falei sobre sonhos, amor. A coisa é realmente linda! Mas tem aquela pegada da realidade que fez ganhar mais ainda meu coração. Ao escolher assistir este filme, você com certeza não estará indo ver nenhum conto de fadas. A grande questão são sobre as escolhas que fazemos. Toda escolha precisa de uma renúncia e, assim sendo, não significa que será fácil ou difícil. Todavia, somos movidos pelo que amamos e a cada um de nós cabe o seu preço. Isso é fato. E o filme traz essa abordagem de forma espetacular!

Minha classificação são 5 estrelas sem nem precisar pensar duas vezes! Alguma dúvida que você realmente precisa dar um pulinho no cinema?? Hahah

E se você já o assistiu me conta o que achou!!

Nos vemos na próxima, beijos!








segunda-feira, janeiro 30, 2017

[Autor do Mês] Dan Folter

Olá neblineiros!

Ontem eu fiz uma prova e acabei não conseguindo postar o nosso autor do mês. :(

Mas, sem demora vamos conhecer o autor Dan Folter, nosso autor parceiro:


Biografia


Daniel Regis Martins nasceu num sábado, pouco antes do carnaval de 1979 e, de lá pra cá, vem se esforçando para tornar o mundo um lugar menos entediante. Rasgou a garganta antes dos dois, foi mudo, fanho e finalmente, um tagarela. É técnico em eletrônica e analista de sistemas, mas está estudando letras para deixar esse mundo de exatas para trás. A literatura é só uma de suas muitas paixões como a fórmula 1, Led Zeppelin, cachorros, seus amigos mercenários e sua esposa Fernanda.


Abaixo, você confere a capas, do livro: "O Mistério de Boa Esperança":




O Mistério de Boa Esperança, foi lançado pela Chiado Editora e já está disponível nas melhores lojas.

domingo, janeiro 29, 2017

[Livro] Endgame: O Chamado



Olá, pessoal!
Desculpem pela ausência! Mas cá estou!
espero que estejam aproveitando essas férias ou, caso estejam trabalhando, que estejam tendo bons dias :D
Então, a resenha de hoje é de um livro que até já tinha ouvido falar, mas não dava muita bola haha Até por que já gostava de sagas, com as coisas da faculdade e, como disse, nunca me atraiu. Mas aí eu ganhei esse livro e ,bum, que história!
Estou falando de Endgame: O Chamado.

Resultado de imagem para endgame

Título Original: Endgame - The Calling
Autor: James Frey e Nils Johnson-Shelton
Páginas 504

O livro mostra a história de doze adolescente, de doze linhagens lendárias, as quais, geração após geração, foram treinadas para o Endgame. Fora treinadas em idiomas, vários tipos de lutas e no uso de diversas armas. São pessoas altamente letais, mas, disfarçadamente, enquanto tinham rígidos treinamentos, levavam uma vida normal. Até que acontece O Chamado. Doze jovens entre treze e vinte anos irão lutar entre si até que um seja vencedor.
Até que lembra Jogos Vorazes, não? Mas são universos totalmente distintos. em Jogos Vorazes, as lutas são televisionadas, aqui é tudo secreto. Além das linhagens, ninguém mais sabe do Endgame, nem que, quando um lutador morre, sua linhagem corre risco. Pois apenas a linhagem vencedora pode sobreviver ao evento, que ninguém sabe o que ou quando é.
Como eu disse, não esperava nada, não sabia nada da história e fui bem surpreendida. Gostei muito do livro e já tô lendo o segundo, A Chave do Céu.
São doze linhagens, doze jovens, de diversas partes do mundo. Temos Sarah Alopay, de Omaha EUA; Jago, do Peru; An Liu, da China, entre outros cada um disposto a fazer o que for pra salvar sua linhagem das consequências do Evento. Conhecemos suas vidas antes do Chamado, um pouco de suas personalidades, ideologias a respeito do Endgame...
Quem sabe, ao ler, vocês acabem torcendo por alguém, ou tendo personagem favorito? Quem sabe? rs
Valeu supera pena a leitura, gostei muito de endgame. Dificilmente um livro com uma capa dourada tão linda seria ruim. Ok, não julguem um livro pela capa haha
Até!