domingo, março 31, 2013

A Seleção: Série de TV





Postamos ainda pouco a resenha do livro “A Seleção”, de Keira Cass.


O livro está pra se tornar série de televisão, mas o projeto se arrasta desde o ano passado.

Um piloto foi gravado no qual America Singer, protagonista da série, seria realizada por Aimee Teegarden (Pânico 4), bem parecida com a menina da capa do segundo livro (se não for a mesma rs). O príncipe Maxon iria ser interpretado por Ethan Peck (O Preço do Amanhã) e William Moseley (As Crônicas de Nárnia) faria Aspen. As produtoras eram Elizabeth Craft e Sarah Fain, com direção de Mark Piznarski.


Entretanto este piloto foi recusado pelo CW, canal que transmite The Vampire Diaries. O projeto foi desacreditado por um tempo, entretanto está novamente na lista dos pilotos encomendados. Acontece que tudo mudou.


Pelo que pudemos ver em alguns sites, a CW quer que a história fique bem distante do livro, sendo o mesmo apenas fornecedor da base do seriado. Algumas coisas já podem ser observadas, como por exemplo o fato do Príncipe Maxon ter um irmão, e a autora revelou que os personagens terão um lado mais sombrio, e a série como toda terá um lado mais adulto. A produção é da Warner Brothers Television.

O roteiro ainda continua como Craft e Fain, mas o diretor e produtor executivo será Alex Graves (Terra Nova, Game of Thrones).

O elenco também sofreu alteração ficando deste jeito:


Yael Grobglas – America Singer
Michael Malarkey – Príncipe Maxon
Lucien Laviscount – Aspen Leger

Para ver a lista completa do elenco, clique aqui.


Acho que prefiro esse elenco ao antigo, embora Aimee fosse uma boa opção para América. Gostei também das mudanças de plot, acho que se for aprovada, teremos uma série ainda mais interessante. Entretanto ainda temos que esperar.

A boa notícia é que a CW parece bastante interessada no projeto, então as chances são boas. Agora é só torcer!



Obs: A Editora Seguinte, responsável pelo livro aqui no Brasil disponibilizou no site o conto “O Príncipe”, spin-off da série, também escrito por Kiera Cass. Veja a sinopse:

"Conto inédito e gratuito, O Príncipe não só proporciona um vislumbre dos pensamentos de Maxon nas semanas que antecedem a Seleção, como também revela mais um pouco sobre a família real e as dinâmicas internas do palácio. Você descobrirá como era a vida do príncipe antes da competição, suas expectativas e inseguranças, assim como suas primeiras impressões quando as trinta e cinco garotas chegam ao palácio."

[Livro] A Seleção


Hoje falaremos do livro “A Seleção”, escrito por Kiera Cass.



O livro nos trás a história de America Singer, uma menina simples na escala organizacional criada pelo governo composta por oito castas, encontra-se na ‘cinco’. Apesar das dificuldades que enfrenta com a sua família, America não tem vontade de subir na escala social, ao contrário de sua mãe, que quer fazer de tudo para que isso aconteça. Seu pior pesadelo torna-se realidade quando, por uma tradição história de seu país, seu nome é selecionado para participar da “Seleção”, na qual o príncipe escolherá sua futura esposa. America se vê então, tendo que deixar sua família, sua vida e um poderoso amor pra trás, em ordem de estar num lugar cheio de regras, perigos e perto de um príncipe sem graça e superficial.

Bom, o livro é curto e leitura rápida, são menos de 300 páginas. O que também facilita a leitura, obviamente, é a história.

Diferentemente do que estamos acostumadas nos livros de hoje em dia, America Singer não é uma protagonista que está na posição de mocinha. Ela não tem comentários espertinhos, como gosto muito de ver, mas só de ela não estar numa posição tão adotada pelas personagens de hoje, já é um alívio.

A única crítica que tenho quanto ao livro foi a minha confusão temporal. Sinceramente, ao olhar a capa, estava convencida que seria um livro relacionado aos séculos passados, com as mulheres com aqueles vestidos maravilhosos, ao estilo Maria Antonieta ou algo assim. E foi um choque perceber, mais ou menos na metade do livro, que na verdade a situação acontece no futuro, num futuro "dispóstico". E não. Não parece com Jogos Vorazes. Ainda sim, meu cérebro teimou em me mostrar imagens de mulheres com roupa de época.
Não pensei que fosse gostar tanto, visto que no início via o livro, uma hora como uma forte referência a “Para Sempre Cinderela”, filme com Drew Barrymore e outras horas parecia que estava lendo a versão literária daqueles reality shows como "The Bachelor". Com o passar do livro, deixa de ser uma comparação ruim, e a história é bem desenvolvida, mesmo que você possa achar que alguns acontecimentos passem rápidos demais. Achei bem costurado. Até mesmo momentos no qual America não está com o príncipe (afinal é um romance), você se mantém entretida.

Tem triângulo amoroso (mas que não me deixou dúvidas sobre meu preferido) e tem o elemento “vamos ser amigos, mas com o passar do tempo viramos algo a mais”, entretanto não deixou a história menos interessante ou tediosa. 

Fiquei com raiva de mim mesma ao descobrir que o livro é uma trilogia, pois havia prometido a mim mesma que não começaria uma ao menos que todos os livros estivessem lançados.

Essa espera é torturante e é assim que será até eu conseguir por meus olhos em “A Elite”, segundo livro da série, previsto para ser lançado no final do mês de abril e já tem uma capa linda:




Gostei muito mesmo e estou ansiosíssima para o segundo!


Nota: 4/5

Obs: O livro está sendo transformado em série de tv e daqui a pouco traremos um post sobre isso :)

sexta-feira, março 29, 2013

A Hospedeira






Hoje estreou nos cinemas o filme “A Hospedeira”, adaptação cinematográfica do romance de Stephenie Meyer, autora que ficou conhecida após o grande sucesso que foi a “Saga Crepúsculo”.

Confesso que não li “A Hospedeira” e apesar de ter lido algumas críticas, sobre o fato de Meyer não ter criatividade e de que esta história era apenas uma versão alienígena de Crepúsculo, tentei ver o filme com a mente aberta.

O filme, de forma resumida, nos mostra um mundo onde os alienígenas tomaram o planeta, assim como todos os seus habitantes, de forma que novas almas, que visam manter a paz no mundo, passam a morar nos indivíduos. É nesse cenário que conhecemos Melanie Stryder (Saoirse Ronan), resistente ao sistema imposto pelos seres, mas que acaba sendo pega. Entretanto sua luta não termina, e ela passa a dividir o corpo, os sentimentos e as ações com a Peregrina, alma invasora que é colocada em seu corpo.

As atuações foram muito boas, e para mim os destaques foram William Hurt, que interpretou Jeb Stryder, tio de Melanie e sem dúvidas nenhuma para a Saiorse Ronan, que conseguiu me “emocionar” com um dialogo com ela mesma. Ainda sobre atores, uma boa surpresa pra mim foi a participação da atriz Emily Browning, quem eu simplesmente adoro.

Quanto a parte da história... bom, o triângulo amoroso está lá, o ser que supostamente deveria agir de uma forma, mas é bonzinho, também. Entretanto em nenhum momento me incomodou. É uma mistura de ficção científica com romance, sendo este a base da história. Tiveram elementos de comédia muito bem encaixados, assim como ação e drama, todos bem distribuídos.

Acho que as pessoas têm que deixar de lado o fato que a Stephenie Meyer escreveu Crepúsculo (pra quem não gosta da série) e aproveitar o filme, que eu recomendo!

Nota: 4/5

domingo, março 24, 2013

[Livro] Assassinato no Campo de Golfe

Um tempinho sem aparecer pede um livro interessante não é? Juro que estou terminando de ler o Chefão para apresenta-lo a vocês, enquanto isso, que tal dar uma conferida em um livro de investigação? Trago para vocês hoje a resenha de um livro da Agatha Cristie.


O livro foi publicado em 1923 e é protagonizado pelo  detetive Hercule Poirot, que permeia grande parte das histórias da autora e é narrada pelo capitão Hastings. 

A história se passa na França, após o Sr Renauld, enviar uma carta para o detetive informando que tem medo de estar em perigo. Porém, quando Poirot chega para encontrar o cliente, este já fora assassinado , o que leva o detetive a começar a investigação. Dessa forma nosso detetive se reúne a policia francesa e ao investigador Giraud, que utiliza métodos de investigação igual a outro detetive famoso Sherlock Holmes, o que incomoda o outro, pois acha melhor utilizar as suas " células cinzentas". 

As coisas começam a se complicar, quando ele se da conta que o crime é parecido com um outro ocorrido a 20 anos atrás, porém o que fazer quando a arma do crime desaparece? E outro cadáver aparece? Enquanto A polícia francesa desconfia do filho do Sr. Renauld (Jack Renauld) e todos os indícios apontam na sua direção,  Poirot quer esclarecer todos os pontos obscuros da história, incluindo o papel desempenhado por cada um dos envolvidos: a vizinha, Sra. Daubreuil; a sua filha, Marthe Daubreuil, linda moça que chamou muito a atenção de Hastings; Bella Duveen, uma outra moça que tinha sido namorada do jovem Renauld; e a própria esposa do Sr. Renauld.

Com todas essas interrogações Poirot, tem que descobrir todas as respostas para descobrir a relação que havia entre dois assassinatos cometidos com intervalo de mais de 20 anos.

Uma boa pedida também é assistir aos episódios do seriado lançado em 1989 intitulado Agatha Christie's Poirot, na Inglaterra e apenas Poirot, nos Estados Unidos estrelado pelo ator: David Suchet, com duração de 50 minutos.

Abaixo um trechinho do episódio do Assassinato no Campo de Golfe:


[Livro] Romeu & Julieta

Oi!
Tempo que não resenho nada por aqui!
Então, aproveitando a deixar de Sir Shakespeare ser o autor do mês, a resenha da vez será de um dos seus livros mais famosos: romeu & Julieta. A história de amor mais conhecida do século XV, e é uma peça,sabiam? A escrita do livro é em formato de peça, pelo menos em algumas edições.
Chega de delongas! Vamos à história!
Na Verona do século XV, existiam duas famílias muito antiga e rivais desde quase a o começo de suas existência. Os Montheccio são uma família mais humilde; os Capuleto, mais ricos.
Certa noite, os Capuleto dão uma festa e alguns Montheccio vão escondido. O pai da família permite,pois sabe que aqueles rapazes, em especial Romeu, são direitos.
A festa acontece, todos se divertem, até que Romeu a vê Julieta Caputelo, a única filha, e prometida a Paris, um partidão para a época.
Como todos sabem, eles se apaixonam...bem, à primeira vista não é a expressão adequada para expressar o que aconteceu. A paixão é tão forte que se casam quase imediatamente. Eles tem um único obstáculo:
 a rivalidade entre as duas famílias.
Com uma narrativa poética, cheia de bons diálogos, WiIllian Shakespeare nos guia pela história que atravessou séculos e ainda inspira casais... Ou não...

sábado, março 23, 2013

[Livro] Em Chamas

Olá, queridos! Continuando as resenhas de séries, hoje vamos conhecer mais um pouquinho de outro livro da autora Suzanne Collins.

O livro foi publicado em 2009 nos E.U.A , e republicado no Brasil em 2011 pela editora Rocco. Ao final do livro Jogos Vorazes ( já resenhado pela equipe), Katnis e Peeta, vão morar na vila dos vitoriosos no distrito 12 ao lado de Haymitch. As coisas parecem ter melhorado para eles, porém com o inicio da turnê da vitória próximo o presidente Snow, visita nossa protagonista e faz uma ameaça, se ela não provar para ele que está realmente apaixona por Peeta, sua família corre grande risco, já que desde o final dos jogos, está havendo levantes em alguns distritos.

Na primeira parada que é o Distrito 11, um idoso faz uma saudação usando a música que Rue usava para avisar Katiniss que estava bem todas a saúdam com o gesto do Distrito 12, o que gera uma confusão com os Pacificadores, levando a morte do idoso e a retirada do casal o mais rápido possível do Distrito.  As visitas ao restante de Panem, ocorre sem mais incidentes. Ao retornar ao Distrito 12, Peeta pede a mão de Katiniss e ela aceita, porém não é suficiente para convencer Snow.

Em uma visita a floresta, ela encontra duas fugitivas do Distrito 8 que estão em busca do extinto Distrito 13, o que a deixa com uma pulga atrás da orelha. Finalmente chega o dia de anunciar o "Massacre Quartenário", Jogos especiais que ocorrem a cada vinte e cinco anos, os enviados de cada distrito serão vinte e quatro antigos vencedores, por ser a única mulher Katiniss, é escolhida e entre os dois  e, quando Haymitch é sorteado como o tributo masculino, Peeta se voluntaria para ir em seu lugar. Em sua entrevista com Ceasar Flickerman, Katniss usa um vestido de noiva, criado por seu estilista Cinna. Ao mostrar o vestido para a platéia, este queima revelando um vestido com a aparência de um Tordo, o símbolo de Katniss. Enquanto Peeta, ainda tentando a ajudar, anuncia que já realizaram uma cerimonia de acordo com o seu Distrito e ela está grávida. 

Antes de retornarem a Arena, como forma de "assustar" a nossa jogadora atacam Cinna, seu estilista o levando a morte, abalada ela vai para a arena onde junto de Peeta se aliam a Finnick Odair, que venceu os Jogos dez anos antes, quando tinha quatorze anos de idade, e Mags, uma voluntária de oitenta anos, ambos do Distrito 4. A arena é formada por uma área de praia e floresta, cercada por campos de força.

Dai em diante, eles passam por situações inusitadas dentro da Arena, eles se aliam a tributos do distrito 3 e 7 , quando dois tributos do grupo morrem, Beetee arma um plano que iria supostamente eletrocutar os outros tributos, mas é usado para destruir o campo de força ao redor da arena; machucada, Katniss desmaia. Ao acordar, ela descobre que tudo era um plano conhecido por alguns dos outros tributos para tirá-los de lá, e que eles estão indo para o Distrito 13, que realmente ainda existe. Descobre também que Johanna e Peeta foram capturados pela Capital, o que a deixa transtornada, pois queria protegê-lo. Gale visita Katniss e lhe informa que o Distrito 12 foi destruído, mas ele conseguiu fugir com sua família e a dela que agora estão escondidos de toda a Capital e Panem.

Com a boa recepção do livro e do seu antecessor Jogos Vorazes filme e livro,  tiveram inicio as gravações do filme com estréia prevista para 22 de novembro de 2013.

Abaixo, teaser já lançado pela distribuidora.


E alguns dos posters já liberados:




Gostaram das fotos? Eu também!  Agora nos resta aguardar até Novembro. E fiquem ligados no Blog, em breve resenha do último livro da série: A Esperança.

[Livro] O restaurante no fim do Universo

Finalmente cheguei ao fim da leitura do segundo volume do Guia do mochileiro das Galáxias!!
Depois que minhas provas passarem, darei inicio a leitura do 3° volume, com toda certeza!

Vamos a resenha??

“Existe uma teoria que diz que, se um dia alguém descobrir exatamente para que serve o Universo e por que ele está aqui, ele desaparecerá instantaneamente e será substituído por algo ainda mais estranho e inexplicável.


Existe uma segunda teoria que diz que isso já aconteceu.”

É assim que começa O Restaurante no Fim do Universo! 
Passado e futuro se mesclam nessa obra.
A viagem no tempo finalmente deu o ar de sua graça na história
 com o impossível restaurante no fim do Universo.
Era o que eu mais ansiava ler!


Confesso que considerei a trama mais confusa do que a do primeiro volume, mas o interessante método utilizado por Douglas Adams para se aprofundar em histórias paralelas sem afetar o andamento da trama principal, nos prende completamente a história!

Zaphod e suas duas cabeças malucas passam um bom tempo tentando descobrir o que ele precisa, afinal, fazer, até que depois uma divisão maluca do grupo, feita pelo fantasma de seu avô, algumas viagens a outros planetas e universos artificiais indesejadas, ele descobre que precisa confrontar aquele que rege o Universo, para descobrir que diabos ele está fazendo e nesta ele arrasta Arthur, Ford, Marvin e Trillian com ele, é claro.  Mas antes, eles fazem uma pausa para um lanchinho, aonde temos as cenas mais cômicas do livro, no Restaurante do fim do universo.  Continuamos com o Guia entrando no meio da história, para nos dar explicações sobre tudo aquilo que precisamos – ou não – saber.
O que é genial e louco. Tudo ao mesmo tempo e no mesmo espaço.

Não tem como não rir do pessimismo de Marvin, o robô paranóide. Ele lembra aquela pessoa irritante que sempre temos em um de nossos grupos, que vê sempre o lado negativo de tudo.

Um ponto negativo que notei, foi que os livros acabam muito repentinamente. A maior parte dos autores se preocupa em finalizar suas obras com uma situação marcante, que mantenha aquecido o interesse do leitor na série, mas Douglas Adams não. Vai ver ele tomou umas dinamites pangaláticas enquanto escrevia, e sua mente sonolenta e alcoolizada no momento lhe disse que estava bom parar por ali.

Fora isso o livro é maravilhoso. Super curioso e interessante para quem tem um ladinho nerd dentro de si. Tem algo melhor do que curiosidades aleatórias que não pedimos para achar e personagens únicos e com problemas de personalidade,  acompanhados de uma narrativa despojada e em terceira pessoa para  idolatrarmos eternamente??

É claro que não!

Eu indico!

nota: 4/5

Torçam por mim nas provas que logo resenho A vida, O universo e Tudo mais, para vocês!!

XoXo

[Livro] O Mercador de Veneza

Oi Galera :)

A leitura de hoje, eu fiz pelo livro ser sempre indicado dentro do meu curso. Faço Direito e o Mercador de Veneza, foi um dos primeiros livros a retratar um tribunal em sua história.
Vou tentar resenhá-la e acrescer na resenha alguns pontos jurídicos de destaque que consegui notar.
 (  ainda estou no segundo ano do curso, então se faltar algo, não me matem. rs) Vamos lá!

A história central se passa na cidade de Veneza na Itália, em meados do século XVI, onde as atividades econômicas e comerciais passavam por uma significativa ascensão.
Observamos logo no início do livro que há uma imposição forte de leis e princípios aos estrangeiros, e também uma intensa discriminação do povo judeu pelos cristãos. Os judeus, tidos como estrangeiros gananciosos, não têm os mesmos direitos dos cristãos na Itália.

O livro nos traz uma ambiguidade sobre a essência do ser humano onde se confronta uma grande questão moral: os judeus, têm ou não direito de revidar? Meandros do direito adquirido, da justiça dos homens e da justiça de Deus, da responsabilidade diante dos próprios atos e dos atos alheios - é essa a pauta shakespeareana em discussão

Sob a óptica jurídica o que observamos é um contrato feito entre Shylock (judeu que emprestava dinheiro a juros, “agiota”) e que por sua vez tinha sido alvo de humilhações em face de discriminação por Antonio (mercador, cristão que beirava a falência pois todas suas garantias, “frota de barcos” estavam em alto mar, alvo de piratas e tempestades). O contrato estabelecido por ambos consistia em que Shylock emprestaria a Antonio a quantia de três mil ducados a serem pagos no prazo determinado, tendo como cláusula especifica, caso Antonio não cumprisse com a obrigação  que ele pagaria uma  multa com uma libra de sua própria carne tirada pelo próprio judeu o mais perto possível de seu peito, sendo que este empréstimo feito por Antonio era para seu amigo Bassânio que pretendia viajar para conquistar a jovem Pórcia.
 O contrato é selado entre Shylock e Antonio sob os aspectos descritos, mas a garantia de Antonio era sua frota de barco, que não retornara,  e exaurindo o prazo, o Mercador de veneza busca seu acerto de contar com Antôno, através da execução do contrato.

Dentro de tal proposição começamos a analisar as especificidades do contrato estabelecido. O que percebemos é uma liberdade no estabelecimento do contrato,  como nos mostra o trecho do livro onde António e Shylock concordam com as condições contratuais. Logo o contrato estabelecido por ambos foi considerado válido tendo como princípios fundamentais a liberdade contratual e a obrigatoriedade do cumprimento do contrato, sendo assim, em tese, a lei estava do lado do judeu.

 Chegado o julgamento,  vários membros da corte pedem por piedade, Bassânio que já retornara de sua viagem para ajudar o amigo, oferece-lhe o triplo do valor acordado, mas o judeu mantém-se inflexível.
O ápice do julgamento se dá com a intervenção de Pórcia (já como esposa de Bassânio e inteirada de toda a situação) se passando por um jovem advogado, chamado Baltazar.

Já entendido a licitude do contrato, ela sentencia a execução (retirada de uma libra da carne de Antonio pelo judeu), tendo como embasamento o contrato legalmente celebrado, dizendo que o mesmo é uma emanação da vontade e que se não fosse cumprido traria uma insegurança jurídica para toda Veneza. Pouco antes do cumprimento da execução, Baltazar expõe a principal argumentação “Um momentinho apenas. Há mais alguma coisa. Pela letra, a sangue jus não tem; nem uma gota. São palavras expressas: “uma libra de carne”. Tira, pois, com o combinado: tua libra de carne. Mas se derramares, no instante de a cortares, uma gota que seja, só, de sangue cristão, teus bens e tuas terras todas, pelas leis de Veneza, para o Estado passarão por direito”. A interpretação gramatical feita por Baltazar foi decisiva para resolução do litígio, onde por sua vez o judeu aceita o acordo proposto pelos julgadores.

Trazendo o fato ao nosso ordenamento jurídico observaremos que o contrato geral feito por Shylock e Antonio seria relevante, mas a cláusula que determinava a garantia do mesmo, seria considerada nula devido a falta de boa fé por parte de Shylock (ele induz Antônio a assinar o contrato sob o argumento de que a cláusula - pena com a libra de carne - seria de brincadeira) e por ferir o principio constitucional da dignidade humana. Logo a garantia do contrato teria que ser seus bens materiais.

Outra parte importante  é que até que ponto os indivíduos tem “liberdade” de contratar nas relações privadas, logo o que observamos é que a liberdade de contratar existe desde que, se obedeça aos limites da “ordem pública” e dos interesses da coletividade que sobrepõe-se os interesses individuais.
Sendo assim em face de conclusão o Mercador de Veneza se mostra um livro abrangente, por nos apresentar um romance, um tom teatral de comédia, e ainda assim dinheiro e vingança levados a decisão de um magistrado, onde se observa uma intensa discórdia religiosa e até mesmo um sistema judiciário deficiente (onde Pórcia consegue enganar e convencer a todos).
Expressamos um apoio a decisão final pois, decidiu-se a favor da pessoa humana defendendo sua dignidade e integridade física e psíquica que por sua vez tem maior relevância comparada com bens materiais, ou seja, patrimônio.


nota: 4/5

quinta-feira, março 21, 2013

[Filme] Les Miserábles


Oi povo,

Como perceberam essa é a resenha espero que não seja a ultima sobre de um filme. Existe o livro, porém não tive sorte de comprar antes de ver, assim que eu tiver o livro nas minhas pálidas mãos eu farei a linda resenha sobre o mesmo se eu também tiver sorte de ler antes

Eu sei que vocês devem estar pensando 'mas não é blog sobre resenhas de livros?' Querido, é um blog sobre resenha, no geral está sendo com livros, portanto, como gosto de revolução, mudança e ser diferente, tomei liberdade de escrever resenha de um livro maravilho, intenso, lindo, merecedor dos Três Belos Brilhante prêmio Oscar. Apesar que na minha opinião mereciam ganhar todos os Oscar. 

Os Miseráveis, Deus, não sei como resenhar, não sei como criticar sobre esse filme. Palavras são muito poucas para descrever a força que essa história mostrou. Unica coisa que sei para esses primeiros minutos que passou depois de eu ver a ultima cena, a ultima letra do filme é sensação de que o filme em si acabou comigo. De verdade, o filme. acabou. comigo. 

Não de forma trágica é claro, mas uma forma mais figurativo. Eu chorei muito, muito mesmo. Os atores atuaram muito bem, atuaram de uma forma, que a dor dos personagem, que a lagrima do personagem, a força, os gritos, era sentidos perfeitamente dentro de você.  Eu me senti muito bipolar mentira, eu senti toda a dor de cada personagem, a força da raiva, a força da tristeza soado pela vozes cantada era uma forma tão intensa que dava para perceber como era realmente a vida das pessoas na Época após da Revolução Francesa. 

*respira fundo para recuperar as emoções*

Bom, vamos a seriedade, primeiro toque para quem está louco para ver. O filme é quase totalmente cantada, uma ou outro eles falam, mas é raro. A história tempo todo é cantada através dos pensamentos, do sentimento que cada personagem apresenta. Eu vou tentar não dar muito Spoiler, mas claro que vai tem um ou outro porque é necessário, mas óh eu avisei, não quero reclamação. 

Como eu já disse, o filme é totalmente cantado. Para você aguentar 2h30 de filme, você tem que ter amor pelos filmes musicais, ou menos dramático, gostar. A história é simples, muito simples, ela aborda totalmente sobre o processo de uma pequena revolta. Ela não é tipo, há já começa o plano para explodir uma guerra civil, não, não mesmo. Ele começa com um homem, chamado Jean Valjean (Hugh Jackman), um prisioneiro posto em liberdade depois de cumprir 19 anos de prisão. Motivo? Roubou um pão. 

Ele estava semeado, simplesmente cego de raiva das policias francesas, principalmente pelo inspetor Javert  que sempre o persegue, mesmo que tenha dado a carta de liberdade para o primeiro. Jean nunca conseguiu emprego, levando um vida de pobre, pois era totalmente rejeitado pela sociedade por ele ser um ex-prisioneiro. Até que um dia, um bispo Myriel muda a vida dele, levando-o a pensar a si mesmo, de quem ele era, até que resolve mudar sua própria identidade para conseguir algo na vida. 

Isso, meus caros, é só primeira parte do filme. Não avisei vocês, mas o filme há três parte, já contei a primeira. A segunda parte mostra a visão de uma outra personagem. Fantine (Anne Hathaway) é nome dela.  Ela é uma mãe solteira que trabalha de forma silenciosa para conseguir dinheiro e pagar os cuidados de sua filha Cosette que estava aos cuidados Mr. e Mrs. Thénardier ; porém uma das empregadas a denuncia e Fantine é posto na rua sem muita esperança. Então, ela continuou tentando arrumar algum dinheiro, ela tentou vender um pequeno cacho de sua filha pelo preço ela necessitava porém sem sucesso. Uma mulher disse que se ela vender os próprios cabelos ia ganhar o preço que necessitava, Fantine sem muito o que pensar ela aceitou a proposta, mas a cada passo que ela decidia para ganhar dinheiro, ela passou a se prostituir.

Fantine não gostava nas suas próprias decisões, porém ela sentia obrigada a ser a mais jovem prostituta para conseguir pagar os cuidados de sua filha. Chegou um momento que ela sentiu-se ameaçada por um homem e o agrediu em defesa própria,  mas na época  nenhuma mulher conseguia direito iguais porque os homens eram considerados superior a elas, então qualquer história  que era dita pelos lábios de uma mulher eram imediatamente desacreditada. Javert ( chefe que controlava qualquer problema que tinha em qualquer lugar da cidade) ia condenar Fantine, mesmo ela dizendo que tinha uma filha a cuida. Porém para sua sorte, Jean (prefeito da cidade que Javert não desconfiou que era o prisioneiro, só começou a desconfiar depois e por fim descobriu) acreditou nela e levou-a para hospital.

Fantine se alucina achando que sua filha estava no local, Jean vê e chega perto dela e promete que vai buscar Cosette e cuidá-la como sua filha, Fantine se sente segura com a promessa e vem a falecer. Jean levanta, mas Javert aparece no local querendo levar ele para prisão, porem Jean diz que tinha uma coisa a fazer, entre na luta de ambos, Jean consegue escapar.

Chegando onde os Mr. e Mrs Thénardier ( Sacha Baron e Helena Carter), um casal totalmente manipulador e ladrão, pois roubam dinheiro nos seus próprios clientes, e responsáveis pela Cosette, porem eles não o cuidam como sua filha, mas sim como empregada. Eles tem uma filha (somente no filme retrata isso) chamada Eponine que tinha cuidados de um "princesa". Jean chega e oferece dinheiro em troca de eles darem Cosette. Depois de algum acordo, Jean dá dinheiro que ele achava certo, e então pega a menina, e foge novamente do Javert, desaparecendo na vida de todos novamente.

E agora Terceira e a Ultima parte do filme, (FINALMENTE UHUUULL), no geral é a parte que mais gostei, apesar que amei o filme todo. Só que na ultima parte foi tão vibrante, tão... seilá, não sei como descrever a sensação, é como se eu tivesse no meio dos rebeldes e concordando em protestar e fazer uma França melhor, pelo bem do povo. Conhecemos um lindo, fofo, corajoso personagens chamado Gavroche, ele é praticamente a alma da coragem, o espião espertinho dos rebeldes, grupo mais especial controlado pelo Marius, líder conjunto de Enjolras. Os rebeldes faziam protestos para dar uma vida melhor pro povo, pela liberdade.  O filme já demonstra protesto fervendo, Marius e Enjolras incentivando o povo.

É a parte importante do filme, mas resumidamente, acontece que Protesto realmente dá efeito e explode uma espécie de 'guerra civil', os rebeldes do grupo de Enjolras se esconde depois de fazer uma espécie  barricadas. Lá percebemos como é união forte e ainda mais forte a lealdade pelos líderes. Gavroche foi menino mais corajoso do grupo, chegou momento que ele sai da barricada para coletar cartucho que foi morto pelos Guardas. ( uma das cena mais triste que já vi na minha vida) Marius é salvo pelo Jean ( resumindo parte 2: Marius conhece a Cosette durante uma confusão em uma rua, Eponine (que é apaixonadíssima pelo Marius) o leva para onde ela morava. Cosette e Marius se apaixonam). Então, depois de Jean recuperar da ferids e ser único sobrevivente na luta de barricada, ele e Cosette se casam. Jean se afasta para dar uma vida "um pouco alegre" para sua filha, mesmo que tenha contado a sua vida para Jean e feito ele prometer que Cossete nunca ia saber disso. Mr. Mrs Thénardier consegue penetrar na festa de casamento dos casal, e Marius os reconhecem e expulsa-os; porém Mrs Thénardier conta onde estava o Jean. Assim rapidamente Marius leva sua esposa para ver seu pai nos seus últimos minutos de vida.

Ufa. Terminei o resumo. VIVA! Só para terminar, euseiquemuitosnãoleramatéofim, no geral realmente acho que o filme vale a pena ver e ser admirado, e ainda ser indicados quando você for estudar sobre pequenas revolta após da Revolução Francesa na escola. Porém, como tinha dito e vou ressaltar, o filme é tempo todo cantado, você realmente tem que gostar do musical para prestar atenção das letras, pois se perder uma parte você não entenderá muito bem o filme, melhor, não entenderá a história.

Bom filme e até a próxima <3

Nota: 5/5