segunda-feira, dezembro 30, 2013

Desabafo#2

Palavra: Saudade
Significado segundo dicionário Aurélio: Recordação suave e melancólica de pessoa ausente, local ou coisa distante, que se deseja voltar a ver ou possuir. / Nostalgia. / ....

Parece ser uma palavra feio e negativa. Porém a Saudade não vem, primeiramente, de um sentimento ruim. Tudo depende do que você lembra. Há muito que lembrar, cada lembrança trás diferentes tipos de saudade.
Umas tão grande que dificilmente é possível contar ou demonstrar. Saudades do estilo que lhe faz sorrir, mesmo que as lagrimas vem teimosamente descendo no seu rosto contra sua vontade. Saudade, meus amigos, é algo para ser admirado, e não sentir vergonha por esse tal sentimento nobre.

Constantemente eu me pego pensando em coisas que foram marcantes na minha vida. Isso é comum próximo em épocas onde quase sempre estou levemente desanimada, sim épocas como natal e ano novo. Não sei explicar o porquê. Minha própria família não dá grandes festas para isso, era e é no máximo um jantarzinho e depois cada um vive em seu canto solitário. Talvez a recordação se vem a partir daí.

Sim, houve uma época onde todos ficavam horas e horas na madrugada sorrindo e conversando, e visitando parentes. Já perdi quantos natais e ano novo que saia andando pela rua longa até chega a casa da minha vó paterna ou da minha tia. Ao longo anos depois que minha pequena família cresceu, nossa rotina nessas épocas tornou-se monótona e irritante, a ponto de me querer isolar-se e ficar somente no meu pensamento.

A lembrança infantil de uma família feliz as vezes torna-se uma estranha lembrança distante, porem existe uma lembrança mais distante ainda. Uma lembrança que torna-se uma saudade dolorosa porem não tão triste para esmagar toda a alegria que sinto. Sinto falta da minha bisavó, uma pessoa que não conheci o suficiente, mas nas lembranças que tenho com ela, de suas manias e cheiro de flores que eu sempre recordo eram suficientes para me sentir bem. Ela foi marcante de sua maneira, e eu gosto disso. Gosto de sentir essa saudade que as vezes escorre como lagrima e contorna meu rosto e para nos meus lábios em forma de sorriso.

Para mim, a maior saudade que arranca meu sorriso de forma esplendor são lembranças de amizade. Não importa quanto você negue, os que te moldam (além da família) na maior parte do tempo são amizades, são eles que levam para melhores ou piores caminhos. Te levam adotar um irmão ou irmã. São eles, meus caros, que você vai passar melhores momento de uma forma que a lembrança crie uma raiz tão profunda de tal modo que nem uma tempestade mais feia possa arrancar. São eles que fazem ser você o que é!  

Porém essas são lembranças pessoais, familiar. Mas é assim que marca uma lembrança. Claro que aquela cena de um filme, serie, ou aquela serie que você amava acaba e você perde toda aquela rotina de acompanhar, claro que sente aquela saudade dos personagens que evoluiu desde primeira cena que viu com a mesma.

Existe vários tipos  de lembranças que acaba deixando saudade. Mas fica aqui o essencial: Caso da saudade bater a portar fazer seus lábios curvar para baixo e deixar uma lagrima de tristeza cair. Meus amigos, força um sorriso. Afinal, sorrir é uma arma tão poderosa a ponto de transformar a lembrança que te traz tristeza em saudade saudável.

domingo, dezembro 22, 2013

O Primo Basílio

Oi Neblineiros..Final de semana agitado no blog... Hoje trago para vocês a resenha de um livro ligado ao nosso autor do mês...preparados? 




Sinopse: No cenário de um mundo profundamente transformado pelo desenvolvimento tecnológico, “O primo Basílio” (1878) — romance realista que revela a intimidade, os acontecimentos, os tipos e comportamentos humanos das famílias da sociedade burguesa de Lisboa do século XIX — representa um dos primeiros momentos de reflexão sobre o atraso da sociedade portuguesa.

Essa sinopse diz TUDO sobre o livro. A leitura de O Primo Basílio não é fácil e nem simples..Eu sou suspeita para falar, pois sempre senti dificuldade com os livros de Eça. Mais, esse eu me esforcei para chegar ao final e até que gostei. Apesar de ficar com muita raiva da Luisa e da benevolência do Jorge ao descobrir a traição dela.

Quando comecei a ler minha mãe declarou que o livro tinha cenas muito picantes...rs Mais, na minha visão isso não foi muito relevante, afinal quando você está estudando sobre o realismo português esse fato nãoser relevante. 

Nota: 4/5 Porque eu demorei mais que o normal para ler e as personagens me irritarem um pouquinho. 

sábado, dezembro 21, 2013

[Livro] Relendo : A Culpa é das Estrelas

Oi neblineiros, hoje vou trazer para vocês a minha visão do tão comentado livro A Culpa é das Estrelas do Jhon Green, que por dois meses foi nosso autor do Mês e já teve duas resenhas publicadas aqui no Blog pela Lua aqui e pela Bruna aqui.



Meu interesse de ler foi exclusivamente, porque o filme deverá ser lançado e eu não queria me desapontar com a histórias, segundo que onde eu trabalho inauguramos a Seção de Leitura e ele estava lá dando sopa então eu resolvi encarar. 

Eu não sou fã de dramas, porque a vida já é cheia deles, porém esse livro realmente me tocou por vários motivos. Quem tem ou teve um parente com câncer  sabe como é difícil lidar com essa situação e quando a pessoa parece estar SEC ( Sem Câncer) ele volta com forçar total. 

A Culpa é das estrelas nos mostra uma história de amor e luta pela vida, tanto de Hazel como do Gus que tinha medo de ser esquecido, mais aposto que quem leu jamais vai se esquecer de uma personagem tão forte e comovente como ele.

Se eu chorei!? Claro que chorei, logo nas primeiras páginas e ao longo o livro quando achava que a Hazel ia partir e depois quando ela foi humilhada por seu autor favorito.

Apesar de todo o drama, o livro é bem leve e gostoso de ler dependendo do seu ritmo leva até uns quatro dias.

Nota:5/5, porque eu amei A Culpa é das Estrelas, sem tirar e nem por uma virgula do autor, o final me fez pensar em como encarar avida. 

E lembre - se " Alguns infinitos são maiores que outros"..

Beijos e até a próxima.

quinta-feira, dezembro 19, 2013

TAG: Vamos responder? - por Lua Morena

Oi, gente!

Cá estou de novo para responder essa tag. Vamos lá.

1. Nunca li
Apesar de saber de tudo que acontece no livro, nunca peguei Dom Casmurro pra ler. sério mesmo. "Como assim, Lua, você não leu uma das mais famosas obras do Machado?" Não, não li. mas pretendo ler um dia, calma rs
Como todos sabem, Dom Casmurro conta a história de Bento Santiago, conhecido como Bentinho, de sua infância até a velhice. Narrado em primeira pessoa, Machado nos transporta para o século XIX, com seu linguajar, cultura, tradições, etc. A pergunta de um bilhão é: Capitu traiu Bentinho ou não?



2. Não sinto vontade de ler

Li uns trechos de Cinquenta Tons de Cinza, mas não atraiu pra ler o resto. O tema não me agradou, bem como a maneira de Anastacia e Chris agirem. Não entendo como ela topou fazer o fez, mas vai de cada um. E realmente ficaria preocupadíssima se alguém tão controlador ficasse me perseguindo como Chris faz.



3. Todo mundo gosta menos eu

Livro que deu origem à série Vampire Diaries. quer dizer, não é bem assim. A série é totalmente diferente (e melhor) do que o livro. O quatro primeiros são bacanas, chegou no quinto (Anoitecer) e ficou tudo misturado (fadas, demônios, nãoseioquê) e, fiquei com cara de WTF a medida em que lia. Não li Almas Sombrias nem Meia-Noite.



4. Ninguém lê, mas eu gosto:

Conheço pouca gente que lê/leu os livros que deram origem à série Game of Thrones. Sei que não é uma
leitura fácil e não falo do número de páginas. As Crônicas de Gelo e Fogo aborda uma história complexa e cheia de subtramas que exige atenção. Apesar disso, vale a pena ler.


5. Tenho vontade de concluir

Trata-se da história da família Maia, família rica de Lisboa cuja vida foi abalada com o namoro entre Maria Monforte e Pedro, que tiveram dois filhos Maria Eduarda e Carlos Eduardo. Maria Monforte abandona Pedro, leva Maria Eduarda, e o ex-marido volta para casa do pai, Afonso, desolado e com o filho pequeno. Pedro comete suicídio e Carlos fica sob os cuidados do avô. O reencontro entre os irmão ocorre anos depois, sem um saber do parentesco do outro.
Estou perto de acabar, mas há meses que não pego pra retomar a leitura.


6. Tenho curiosidade de ler


"Ao acordar dentro de um escuro elevador em movimento, a única coisa que Thomas consegue lembrar é de seu nome. Sua memória está completamente apagada. Mas ele não está sozinho.Quando a caixa metálica chega a seu destino e as portas se abrem, Thomas se vê rodeado por garotos que o acolhem e o apresentam à Clareira, um espaço aberto cercado por muros gigantescos. Assim como Thomas, nenhum deles sabe como foi parar ali, nem por quê. Sabem apenas que todas as manhãs as portas de pedra do Labirinto que os cerca se abrem, e, à noite, se fecham. E que a cada trinta dias um novo garoto é entregue pelo elevador. Porém, um fato altera de forma radical a rotina do lugar - chega uma garota, a primeira enviada à Clareira. E mais surpreendente ainda é a mensagem que ela traz consigo.

Thomas será mais importante do que imagina, mas para isso terá de descobrir os sombrios segredos guardados em sua mente e correr, correr muito. "

Achei a sinopse interessante e o livro está na lista do ano que vem.

7. Leria tudo de novo


 Foi a primeira saga que li, a primeira que impulsionou meu gosto pela leitura e pelo cinema.

Como muitos sabem, esses livros contam a história de Harry, um garoto que morava no armário sob a escada (rua do Alfeneiros 4) da casa dos tios. Um dia, ele começa a receber cartas estranhas, mas seus tios nunca deixaram-no ler. Até que ele descobre que é um bruxo e vai aprender a usar a amgia dentro de si em Hogwarts.

domingo, dezembro 15, 2013

[Livro] O Escaravelho do Diabo

Oi neblineiros. 

Hoje, vamos inaugurar uma coluna nova! \o/ Ela se chama Leituras Rápidas, e aqui vamos colocar livros que você vai levar apenas algumas horas para ler, lembrando que cada um tem o seu ritmo e aquele livro que eu posso levar algumas horas você pode levar até dois dias para ler. 

Vamos tentar com o livro abaixo? 


Sinopse: Trata-se de um livro de história policial, em que assassinatos estranhos envolvem a trama. Os fatos acontecem na cidade de Vista Alegre. Pessoas inocentes são vítimas de um estranho assassino nomeado "Inseto", que antes de matá-las, às envia um pequeno embrulho contendo um escaravelho. A aparência e o nome científico dos insetos alude à arma utilizada no assassinato. As vítimas têm algo em comum: são todas ruivas legítimas, com cabelos que lembram a cor do fogo e sardentas.
Alberto, estudante de medicina e protagonista da história, tem seu irmão Hugo, como o primeiro assassinado. Com a ajuda de Inspetor Pimentel e sub-inspetor Silva, Alberto resolve solucionar o mistério, após outros assassinatos se sucederem, além de tentar descobrir qual o motivo do assassinato do irmão. Ao decorrer da investigação, Alberto conhece e se apaixona por Verônica, uma bela moça órfã que vive na pensão de uma irlandesa chamada Cora O'Shea, junto com outros moradores.
A partir disto, Alberto se vê dividido entre solucionar o mistério da morte de seu irmão, ou conquistar o amor de Verônica. Com o passar do tempo, Alberto e Inspetor Pimentel supõem que a chave do mistério está na pensão de Cora O'Shea, mas não conseguem provas o suficiente e o caso é arquivado como "não solucionado". Após anos, numa viagem à Alemanha, Alberto ainda pensa em reconquistar Verônica, e por o acaso, descobre quem foi o assassino de Hugo.

Primeiro eu sou suspeita para falar desse livro, porque eu AMO a COLEÇÃO VAGA-LUME, pois foram os primeiros livros que comecei a ler. E segundo, porque por um acaso a autora desse livro, foi a primeira que li lá com os meu sete oito anos, o nome dela é Lúcia Machado de Almeida, e que fez muito sucesso nos anos 80.

Peguei o livro para ler, porque o achei perdido aqui em casa e fiquei curiosa, e em poucas horas o tinha devorado.

Adorei o modo como a autora descreve a trama dos assassinatos, de modo que você se envolve com a trama todo e fica se perguntando quem é o assassino. Como a sinopse diz, você apenas descobre o assassino no fim. Um adendo o assassino gosta de matar ruivos... #salveafamíliaweasley.

Espero que leiam, e se encantam com a leitura e depois me contem quanto tempo levaram para ler. Até a próxima.

[Livro] O Chamado do Cuco

Olá, pessoas!
Depois e um bom tempo, trago pra vocês outra resenha de um livro lançado em novembro e causou furor depois de descobrirem que o nome do autor era pseudônimo.
Trata-se d'O Chamado do Cuco.


Robert Galbreaith, na verdade, é pseudônimo da nossa queridíssima Joanne Rowling. Depois de Morte Súbita, esse é o seu mais novo livro, o segundo após o fim de Harry Potter.

Sinopse: Lula Landry é uma super modelo famosíssima que cai da sacada de seu prédio numa noite bem fria. A polícia diz que foi suicídio, mas seu irmão, John Bristow, acredita que ela foi assassinada e pede para o veterano de guerra, Cornoram Strike, investigar. A princípio, Cornoram também acha que ela suicidou, mas, enquanto investiga e conhece um pouco da vida dela, de seus amigos, seu passado, percebe que o John não está totalmente iludido.

O livro teme dição em capa dura, que foi a que comprei e amei. Estraga menos, é mais resistente  e seguro de manusear.
As páginas são um pouco amareladas (ultimamente boa parte dos livros são confeccionados assim) e a fonte não tem tanta diferença das maioria dos livros.
'

A história é muito bem narrada, os personagens são bem construídos (eu adorei a Robin) e você parece que está em Londres andando pelos bairros e indo pra Uzi tomar um drinque. E também entramos um pouco nos bastidores da fama, nem sempre é tudo lindo e cheio de glamour. Sempre tem alguém com inveja, cobiçando o que a outra pessoa tem, sem falar nas fofocas sem fundamento.
Strike faz muito bem seu trabalho, mergulhando fundo na vida de Lula e sua família.

É uma leitura excelente, acho que tia Jo continua escrevendo tão bem como antes. Ou até melhor.

Super recomendo o livro, é um excelente presente de fim de ano. Pra quem ão gosta de capa dura, tem em brochura também.

sexta-feira, dezembro 06, 2013

Autor do Mês - Eça de Queiroz

Olá neblinerios!

Atrasei uns dias, mais aqui está o nosso escolhido para ser o Autor do Mês.

Eça de Queirós


Nascimento: 25 de novembro de 1845
Morte: 16 de agosto de 1900

Mini - biografia

José Maria de Eça de Queirós nasceu em 25 de novembro de 1845, numa casa da Praça do Almada na Póvoa de Varzim, no centro da cidade; foi batizado na Igreja Matriz de Vila do Conde. Filho de José Maria Teixeira de Queirós, nascido no Rio de Janeiro em 1820, e de Carolina Augusta Pereira d'Eça, nascida em Monção em 1826. O pai de Eça de Queirós, magistrado e par do reino, convivia regularmente com Camilo Castelo Branco, quando este vinha à Póvoa para se divertir no Largo do Café Chinês.

O pai era magistrado, formado em Direito por Coimbra. Foi juiz instrutor do célebre processo de Camilo Castelo Branco, juiz da Relação e do Supremo Tribunal de Justiça, presidente do Tribunal do Comércio, deputado por Aveiro, fidalgo cavaleiro da Casa Real, par do Reino e do Conselho de Sua Majestade. Foi ainda escritor e poeta.


Em Coimbra, Eça foi amigo de Antero de Quental. Os seus primeiros trabalhos, publicados avulso na revista "Gazeta de Portugal", foram depois coligidos em livro, publicado postumamente com o título Prosas Bárbaras. Em 1866, Eça de Queirós terminou a Licenciatura em Direito na Universidade de Coimbra e passou a viver em Lisboa, exercendo a advocacia e o jornalismo. Foi diretor do periódico O Distrito de Évora e colaborou em publicações periódicas como a Feira da Ladra (1929-1943), A imprensa (1885-1891) e Ribaltas e gambiarras (1881). Porém, continuaria a colaborar esporadicamente em jornais e revistas ocasionalmente durante toda a vida. Mais tarde fundaria a Revista de Portugal.

Seu último livro foi A Ilustre Casa de Ramires, sobre um fidalgo do século XIX com problemas para se reconciliar com a grandeza de sua linhagem. É um romance imaginativo, entremeado com capítulos de uma aventura de vingança bárbara que se passa no século XII, escrita por Gonçalo Mendes Ramires, o protagonista. Trata-se de uma novela chamada A Torre de D. Ramires, em que antepassados de Gonçalo são retratados como torres de honra sanguínea, que contrastam com a lassidão moral e intelectual do rapaz.

Aos 40 anos casou com Emília de Castro, com quem teve 4 filhos: Alberto, António, José Maria e Maria.

Morreu em 16 de Agosto de 1900 na sua casa de Neuilly-sur-Seine, perto de Paris. Teve funeral de Estado,estando sepultado em Santa Cruz do Douro.

Fonte: Wikipedia

Obras

Livros

O Mistério da Estrada de Sintra (1870) 
O Crime do Padre Amaro (1875) 
A Tragédia da Rua das Flores (1877-78)
O Primo Basílio (1878)
O Mandarim (1880)
As Minas de Salomão (1885)
A Relíquia (1887)
Os Maias (1888) 
Uma Campanha Alegre (1890-91)
O Tesouro (1893)
A Aia (1894)
Adão e Eva no paraíso (1897)
Correspondência de Fradique Mendes (1900)
A Ilustre Casa de Ramires (1900)
A Cidade e as Serras (1901, póstumo)
Contos (1902, póstumo)
Prosas Bárbaras (1903, póstumo)
Cartas de Inglaterra (1905, póstumo)
Ecos de Paris (1905, póstumo)
Cartas familiares e bilhetes de Paris (1907, póstumo)
Notas contemporâneas (1909, póstumo)
Últimas páginas (1912, póstumo)
A Capital (1925, póstumo)
O Conde de Abranhos (1925, póstumo)
Alves & Companhia (1925, póstumo)
Correspondência (1925, póstumo)
O Egipto (1926, póstumo)
Cartas inéditas de Fradique Mendes (1929, póstumo)
Eça de Queirós entre os seus - Cartas íntimas (1949, póstumo).