quarta-feira, setembro 28, 2016

[Livro] Uma noite apenas

Olá, neblineiros! Tive o prazer de ler esse livro "Uma noite apenas" da fofíssima, Bya Campista, que também tive a felicidade de conhecer.
No primeiro dia em que a vi fiquei impressionada com aquele mulherão de vestido vermelho, falante e sorridente. Mais impressionada estou agora depois de ler sua história. Então vamos lá...



Título Original: Uma noite apenas
Autor: Bya Campista
Páginas: 240

☁ ☁ ☁







Angelina Brooks é uma mulher independente que não se prende a relacionamentos. Os homens que passam pela vida dela só tem direito a uma noite e ponto final, a fila andou! Ela é feliz e muito bem resolvida dessa maneira, não faz tipo… Essa forma de encarar as relações é quase uma filosofia de vida. Sua única exceção de relação próxima com mais intimidade é seu melhor amigo e fiel escudeiro, Tray. O gay que toda mulher gostaria de ter por perto, ele faz de tudo para ajudar Angel a quebrar esse paradigma. 
Despudorada e sem peso na consciência ela dispensa os homens assim que já teve o que queria.(rsrsrsrs)
Mas quando aparece um médico lindo e ainda mais depravado do que ela, será que Angel será capaz de se contentar com um noite apenas, quando está diante do melhor sexo que teve em toda sua vida? Dr Evan King é uma homem daqueles de deixar saudade depois que o livro termina.
Leia e se surpreenda com uma história que vai muito além das cenas quentes!
Angelina, que parece decidida a seguir suas regras, teve seus motivos que a impulsionaram a tais escolhas. Ela não foge do amor e da intimidade simplesmente porque um dia acordou e achou que assim é mais emocionante ou porque gosta de viver perigosamente...
Parabenizo a autora pela sensibilidade com que trata dos conflitos da personagem e pelo contrapeso das partes cômicas que me arrancaram boas gargalhadas.
Para quem gosta de um livro com uma pegada mais picante "Uma noite apenas" é uma ótima escolha. Leitura leve e fluída bom pra ler numa sentada!

Até mais, neblineiros!

segunda-feira, setembro 26, 2016

[livro] Pequena Londres

E ai, neblineiros? Tudo bem?
Voltei com resenhas para vocês. Eu confesso que já terminei a leitura desse livro a 2 semanas, se não me engano, mas eu estava em época de provas na universidade e foi impossível para mim escrever antes. 


Hoje vim apresentar para vocês o livro da nossa querida colunista Maria Angélica Constantino: Pequena Londres e já de cara eu posso dizer algo a vocês: os leitores vão se apaixonar pela arrebatadora história de amor dos protagonistas Ju e Tom.






Lendo Pequena Londres você leitor vai se maravilhar com a experiência de ler uma icônica saga de amor ao acompanhar uma jovem que se apaixona por um maravilhoso inglês e vive um amor digno de contos de fadas com ele, contudo, a história não se resume a isso. Há uma linda história de amizade sendo contada também e aprendemos no decorrer da leitura a gostar das 3 grandes amigas a que somos apresentadas já no capítulo inicial do livro. Apesar das aventuras malucas e de todos os perrengues que passam no decorrer da história, elas sempre conseguem se divertir e manter a amizade cada dia mais forte, sendo uma o ponto forte da outra. A vida de todas, de certa forma, dá uma leve mudada com a chegada de Tom (o inglês bonitão) que consegue trazer a vida dessas amigas (principalmente da nossa protagonista, é claro) uma pitada de romance e um prato cheio para comédia. 

Pequena Londres é uma história totalmente diferente daquelas que estamos acostumadas e isso definitivamente é o que mais me prendeu a atenção. O enredo da história é bem original, a escrita é impecável e as risadas são garantidas. Erros de português inexistentes, história bem escrita, personagens bem construídos e tendo o cenário maravilhoso de Londrina e do Rio de Janeiro dando vida à tudo isso. Alguma dúvida de que vale a pena ler?


Vem ver o book trailer do livro! 



Tá esperando o quê ainda? Corra até a livraria mais próxima e busque seu volume de Pequena Londres pra ler!




Até a próxima semana, neblineiros!

quinta-feira, setembro 22, 2016

[Filme] Esquadrão Suicida

Boa noite, leitores!

versão final do poster.
Em agosto eu fui assistir ao aguardo filme Esquadrão Suicida! Assisti o filme em 3D em uma das salas da rede Cinemark aqui da minha cidade (Londrina-PR).

Quem me conhece sabe o quanto eu estava ansiosa para ver Esquadrão Suicida desde que o primeiro trailer saiu na Comic Con de San Diego ano passado, então, é claro que não poderia deixar de ser eu a pessoa a fazer a review desse filme para vocês.

primeiro cartaz

Esquadrão Suicida...como descrevê-lo?
Cômico, juvenil e decepcionante. São os melhores termos que tenho em mente para esquadrão suicida e só eu sei o quanto me dói ter de escrever isso. Eu esperava tanto do filme!

Os filmes da DC estão seguindo uma sequência temporal pelo jeito, pois esquadrão suicida se passa logo após os acontecimentos que vimos em Batman x Superman.
No contexto temos Amanda Waller convencendo o governo americano de que uma força tarefa ( força tarefa X, para ser mais exata) precisa ser criada para o governo ter uma arma secreta contra os seres sobrenaturais que vem surgindo no mundo, então, somos apresentados aos famosos vilões da DC que acabaram enjaulados por Amanda: Deadshot, Harley Quinn, Capitão Bumerangue, Crocodilo, Amarra, Diablo e Magia, sendo o grupo coordenado e liderado por Rick Flagg. No filme temos ainda Katana, que surge para auxiliar Flagg e lhe fornecer proteção, ante a orla de Vilões psicóticos que esse carregará com ele por um tempo por aí...

Os grandes destaques no filme, são obviamente Deadshot e Harley Quinn, ela por sua óbvia insanidade, carisma e beleza, e deadshot por ser badass e claramente, no filme, um líder entre os vilões.
Temos ainda a aparição do Batman em alguns momentos do filme e várias cenas curtas com o Coringa, como já era esperado pelo publico. Confesso que eu esperava mais da participação do Coringa. Ele foi mero coadjuvante, apenas o namorado psicopata e abusivo da Harley, não curti.
Pra mim o personagem ficou muito...caricato. Não senti a psicose ou o horror que o Personagem gera na atuação do Jared Leto. O Coringa de Heath Ledger em Batman, cavaleiro das trevas continua sendo o melhor para mim. Pra ser sincera, até mesmo Jerome, da série Gotham me entusiasmou mais , mesmo não sendo apresentado como o Coringa, mas qual é? todos nós pensamos que ele era! Haha

Outro ponto que eu odiei foi a atuação da Cara Delavigne e aqueles efeitos especiais usados. Me senti vendo algum filme meia boca da sessão da tarde nessas cenas.

Mas, no geral, Esquadrão Suicida não é um filme ruim, ele entretêm e diverte, quem não lê quadrinhos, porém, apesar do ponto positivo: permitir que quem, assim como eu, é fã de vilões, possa ver seus ídolos nas telas do cinema mesmo que de forma deturpada haha confesso que o filme decepciona quem acompanha as histórias dos personagens pelo enredo fraco e também pela falta de obscuridade. Se tem um filme da DC que deveria ser sombrio, esse filme é Esquadrão Suicida, oras!

O que nos resta é esperar para ver Mulher Maravilha e Liga da Justiça e ver se da próxima vez a DC acerta!

p.s: agora a DC aprendeu com a Marvel a fazer cenas pós créditos! Olha que legal! Haha Sentem nas poltronas todos! Ninguém sai!


até a próxima!









domingo, setembro 04, 2016

[FILME] A Lenda do Tarzan e A Fábrica de Chocolate

Olá Neblineiros! 

Tudo bem? Eu sei que ando bastante sumida, confesso, mas quem não some por meses quando a sua faculdade quase na reta final apertando e usando seu tempo livre para por os trabalhos em dia? Por tanto, aproveitando que tenho conseguido adiantar meus trabalhos, mostrarei os dois filme que eu vi recentemente! 

Let's Go, guys! 

A Lenda do Tarzan 


Título Original: The Legend of Tarzan
Diretor: David Yates 
Nacionalidade: Estadunidense
Duração: 1h50 min
Ano de estreia: 2016


Sinopse: Releitura da clássica lenda de Tarzan, na qual um pequeno garoto órfão é criado na selva, e mais tarde tenta se adaptar à vida entre os humanos. Na década de 30, Tarzan, aclimatado à vida em Londres em conjunto com sua esposa Jane, é chamado para retornar à selva onde passou a maior parte da sua vida onde servirá como um emissário do Parlamento Britânico.

Impressão: Quando eu fui assistir ao filme no cinema, a primeira coisa que eu pensei foi "A que maravilha, uma releitura do saudoso Lenda do Tarzan da Disney", de fato eu fui com bastante empolgação e sai do cinema mais empolgada ainda. O filme conta a história do Tarzan, porém a história foi baseada no livro de Edgar Rice Burroughs (escritor que escreveu uma série de livros compondo as aventuras de Tarzan). 

Um fato interessante é que o próprio filme tem inúmeras passagens que lembram direitinho a nosso velho e doce filme de Disney, a diferença é que o filme mostra um pouco mais dramático, só para não dizer brutal. É importante dizer que o filme começou basicamente como tivéssemos assistindo à continuação do filme do Tarzan 1999, mas ao mesmo tempo havia informações novas e interessante. 

O filme não só baseado no drama como também demostrou uma ligação forte entre o menino (que não é mais menino) da selva com os animais selvagens que o reconheceu no momento que volta a selva. Assim como vemos que ele não somente tinha um inimigo "civilizado" e relembramos a infância dele na lembrança. 

Eu amei o filme particularmente, até porque confesso que sou meio suspeita de falar, mas a releitura foi dado um tiro certeiro no alvo, o roteiro sem nenhum furo, explicativo do início ao fim, os personagens nas característica muito bem apresentado como conhecemos, o gráfico impecável! Então vale a pena assistir e reassistir. 

A Fantástica Fábrica de Chocolate


Título OriginalWilly Wonka and the Chocolate Factory 
Nacionalidade: Estadunidense
Duração: 1h29 min
Diretor: Mel Stuart
Ano de estreia: 1971


SinopseCharlie Bucket (Peter Ostrum) é um menino pobre, que acha um dos cobiçados "bilhetes dourados" que dão direito a um carregamento vitalício de chocolates Wonka, além de poder conhecer a misteriosa fábrica de chocolates. Ele e mais quatro crianças passeiam pelo lugar, mas Willy Wonka (Gene Wilder), o dono da fábrica, não é uma pessoa bacana e sim uma figura manipuladora. As crianças, ao mesmo tempo em que mergulham de cabeça nos seus desejos, pagam um preço por isso.

Impressão: Primeiramente esse filme foi assistido em homenagem ao ator falecido recentemente Gene Wilder, que fez que o personagem Willy Wonka tornasse eternamente lembrado pelo seu jeito brilhante, porém um pouco esquisito. Além disso, o filme baseado no livro Charlie and the Chocolate Factory, que nos levam uma incrível aventura junto com Charlie em uma fabrica o qual sua produção para fazer um chocolate vai muito além do seu tempo. 

Não somente carregada pelo beleza do cenário, com as musicas lindas e interessante o qual os pequenos Oompa Loompa carregam algumas lições que ainda são atuais, que em minha opinião todos devem prestar atenção, eu acho que é uma lição que tem que ser pensada. Uma viagem pela fabrica com Willy testando, apresentando e estudando cada criança que foram sortudos de terem achados um bilhete dourado. 

Curiosidade: Considerado um Clássico Cult uma década depois do filme lançado e em 2014 o filme foi selecionada para preservação no Registro Nacional de Filmes da Biblioteca por ser "culturalmente, historicamente e esteticamente significante"

in memory Gene Wilder (1933-2016)
"Venha comigo e você estará em um mundo de imaginação pura"


Então é isso! Espero que tenham gostado sobre o filme e sugestões, eu aceito sugestões de filmes que vocês queiram que eu veja, deixa nos comentários que deixarei na listinha de "filmes para assistir"!

Até próxima!