sábado, novembro 19, 2016

[Filme] Animais Fantásticos e Onde Habitam



Olá, pessoal!
Como vão?
Hoje é dia de resenha!
E o que vou resenhar é um dos filmes mais esperados do anos!
Animais Fantásticos e Onde Habitam!


Que filme maravilhoso, pessoal! Eu amei! Amei demais! Quero rever! Quero ter o dvd!
Mas vamos ao que interessa!
Esse filme conta a história de Newt Scamander (Eddie Redmayne), um bruxo britânico magizoologista que vai a Nova York para fazer pesquisa sobre suas criaturas.
No meio de sua jornada, algumas delas acabam escapando, o que é um problemão. Não por que algumas criaturas poem ser hostis, mas por que a sigilo dos bruxos em relação aos nomaj (ou trouxas) e muito mais rigoroso. Para reaver as criaturas fujonas, ele conta com a ajuda de Tina, Queenie e Jacob. Eles precisam agir rápido, pois essa confusão já causou a morte de um homem nomaj e o MACUSA ( governo bruxo) está atrás deles.

Bem, o filme estreou nessa quinta e tava louca pra assistir haha E a espera valeu a pena! Eu amei tudo! O elenco, a história, o roteiro... Tá tudo lindo! Assistam logo que puderem haha E mal posso esperar pro próximo! Amém, J.K Rowling <3

quarta-feira, novembro 16, 2016

[HQ] Homem-Aranha - Negócios de família

E hoje a resenha é diferente! É sobre uma HQ. Eu resolvi começar a resenhar as HQ's que leio já que todo tipo de leitura é válido, entretêm e pode viciar!


Negócios de família é uma espécie de graphic novel da marvel trazido ao Brasil pela Panini Comics. 

Os desenhos são incríveis e trazem um ar realista ao quadrinho, mas eu sou uma garota tradicional, então, esse estilo de desenho não me agradou muito. Talvez porque algumas páginas me deram a impressão de não serem tão nítidas quanto poderiam ser. Enfim, não sei explicar, mas não me agradou.

Quanto ao roteiro,,, bom, não é de todo ruim, mas, não é impactante também, sabe? É apenas "just more one storie". 

Nessa trama Peter Parker é surpreendido por uma "irmã que desconhecia até então e que o leva para uma aventura pelo mundo. Como a capa já denuncia, temos a participação do Rei do crime na trama rs
Confesso que fiquei meio confusa com o arco temporal dessa história, mas isso pode se dar ao fato de eu ainda ser bem noob no mundo das HQ's. 

Enfim, é uma boa leitura já que é uma HQ do spider man, mas não é aquela história imperdível, entende? 

E ai, quem já leu? comentem aqui suas opiniões sobre essa HQ.

nota:  ☁ ☁ ☁ 



terça-feira, novembro 15, 2016

[Filme] A garota no trem

Ontem eu fui assistir o comentado filme A garota no trem.

sinopse: Baseado no romance best-seller de Paula Hawkins. No suspense, Rachel, que está desolada por seu divórcio recente, passa seu tempo indo para o trabalho fantasiando sobre o casal aparentemente perfeito que vive em uma casa onde seu trem passa todos os dias, até que em uma manhã ela vê algo chocante acontecer lá e se torna parte de um mistério que se desdobra.
Dirigido por Tate Taylor, e estrelado por Emily Blunt A Garota no Trem é baseado no livro de Paula Hawkins e nos conta uma história que interliga a vida de três mulheres.
Já de inicio conhecemos Rachel, uma triste álcoólatra que passa horas e horas de seu dia viajando de trem de Ashbury a NY e bebendo no percurso enquanto analisa a vida das pessoas que vão passando por ela através da paisagem fornecida pela janela de seu assento no trem. 

Descobrimos que Rachel está depressiva por ter se divorciado recentemente e que junto com o costume de beber, ela adquiriu o hábito de vigiar a vida de um casal que ela idealiza como símbolo do amor e felicidade, até que um dia a mulher que ela tanto observa desaparece. 

Rachel sabe que viu algo, mas não consegue se lembrar exatamente do que aconteceu devido aos apagões que sofre pelo excesso de bebida que consome. Ela acorda coberta de sangue e sem memória sobre a noite do desaparecimento. Até onde ela pode estar envolvida no desaparecimento da mulher que a encanta? O que ela realmente viu?  É através desse mistério que o suspense sombrio de A garota no trem envolve você.

Contudo, se engana quem conclui que A garota no trem é apenas mais um filme de suspense. A trama tem toda uma carga dramática trazida pela história da personagem, que aos poucos nos é entregue, que te faz entender totalmente o porquê de Rachel precisar estar ali para conseguir dar uma nova motivação para a própria vida.

Na verdade, somos apresentados a 3 mulheres fortes, cada uma a seu modo, que sobreviveram a traumas que aos poucos nos são apresentados e nos ajudam a compreendê-las, assim como a seus dilemas internos que as fazem ser como as vemos hoje. 

Ponto positivo: adorei a fotografia do filme. Eu amo tons acinzentados então me senti extremamente confortável assistindo a trama.

Ponto negativo: em alguns momentos a história se tornava confusa pela desconexão entre os flashbacks apresentados e o que estava ocorrendo na trama.

nota:   ☁ ☁ ☁ ☁ ☁ 

domingo, novembro 13, 2016

[Livro] Os 13 Porquês

Olá, muito prazer! Meu nome é Raphaela, sou a nova colunista do blog e já vou estrear com uma resenha nada pequena, rsrsrs. Mas acredito que você leitor, à medida que for lendo, vai me entender. Para eu ser justa com a minha opinião preciso esclarecer algumas coisinhas. Te convido a me acompanhar nessa! Vamos?! ;)

Hoje vou falar um pouquinho sobre o livro “OS 13 PORQUÊS” do autor JAY ASHER. Esse livro já estava na minha lista há um bom tempo, no entanto, só fui cumprir a missão de lê-lo após ser o vencedor na enquete dos livros indicados para leitura do mês pelo meu Grupo de Leitores – CAIXA DE PÁSSAROS – de Londrina e Região, o qual você leitor(a) está mais que convidado a participar!


Como qualquer livro à espera numa lista de um leitor, conforme o tempo passa as expectativas aumentam, assim como tudo na vida. E por que eu te digo isso? Longe de querer desanimar alguém, eu tinha uma outra ideia do livro e/ou minha frustração se deve apenas a não corresponder minhas longas perspectivas. Então, é um livro ruim? De jeito nenhum! Embora minha classificação sejam três estrelas (médio), lembrando ser essa MINHA opinião. Todavia, o livro possui muitos pontos importantes e que devem ser levados a sério por todo leitor, INDIFERENTE se gostou ou não. E eu vou te explicar as razões.
O livro trata de um tema triste e desumano: o suicídio. E aqui eu faço um parêntese. O que leva uma pessoa a tirar sua própria vida? Muitos fatores, com certeza. Portanto, seja lá qual for o motivo, TODOS eles merecem atenção, certo? Bom, eu acredito nisso. E quero te confessar uma coisa. Mas antes, vamos lá, sobre o que é a história desse livro?
Não é spoiler nenhum dizer que a protagonista, Hannah Baker, cometeu suicídio o que já está anunciado desde o início. Conforme o título do livro, existem treze porquês que levaram a garota do colegial a cometer este ato lamentável. Se entende por esses treze motivos igual a treze pessoas que Hannah responsabiliza em diferentes situações e época de sua vida que a levaram tomar a pior escolha contra si. Pesado, não?! E como ela fez para responsabilizá-las? Observada a famosa capa do livro que é uma fita cassete (que aliás achei super original e retrô), Baker grava em sete fitas narrando o que se passou com cada uma dessas pessoas ou ainda o que cada uma delas fizeram contra ela. Essas fitas têm a missão de serem enviadas para cada pessoa citada. E pior que isso: cada uma delas é que devem mandar pelo correio para o “próximo da fila” que aparece na história, sob pena de se tornar divulgado para o mundo, deixando claro que todos da gravação estão sendo observados.
Clay Jensen, para sua surpresa, recebe o pacote de fitas dentro de uma caixa de sapatos entregue pelo correio. Assustado e ao mesmo tempo curioso resolve ouvi-las. Mas o que Clay não imaginava é que sairia dali a voz da sua colega de escola morta há duas semanas por overdose de remédios. À medida que o personagem vai ouvindo cada uma daquelas fitas, fica ‘decretado’ que nunca mais sua vida será a mesma, prova disso é quando a gravação cita finalmente o seu nome depois de muito se perguntar, tanto ele quanto o leitor tomado pelo suspense, o que afinal Clay fez para contribuir com sua morte?
Agora sim leitor posso te confessar. Quando comecei a ler “Os 13 porquês”, eu que não sou mais uma colegial há um bom tempo e que não ouso dizer minha idade rs, me deparei com aquelas antigas questões da época de escola que todo jovem-adolescente já passou ou vai passar. Eu não sei se você está nesse período, mas se já for um adulto como eu, acredito que vai conseguir voltar ao tempo e lembrar de algumas (ou muitas) pessoas nada agradáveis, rs. Eu sei que cada um tem uma história para contar, não querendo generalizar, acredito que a maioria delas são histórias que um dia de alguma forma mexeram conosco, entretanto, em uma época que éramos ainda muito imaturos, sem muita consciência dos absurdos que fazemos/falamos, até que um belo dia crescemos e estamos muito mais fortes para enfrentar ou proferir blasfêmias. O que eu quero dizer é: todo mundo (ou a grande maioria) passa por isso. E eu sei que vai concordar, caso contrário, você é um sortudo, rs.
Assim foi a leitura para mim no começo, com essas sensações e lembranças. Eu queria falar para aquela garota, Hannah Baker, que ela é uma ridícula por tirar sua própria vida por esses motivos. (Aliás, seja qual for o motivo essa NUNCA será a melhor opção.). Que com certeza não foi nada legal o que fizeram, mas que nem por isso precisava se matar. Contudo, essa sou eu, adulta, numa mente muito mais madura que a da personagem. E tenho que admitir que cada um sabe o que se passa consigo. Somente você sente a sua dor. Quando somos adolescentes vivemos naquele mundo onde tudo parece ter um grau mais elevado, não é? É natural. Portanto, como fazer esse mesmo jovem-adolescente entender que isso tudo vai passar um dia?
Porém, prestou atenção quando eu disse “Assim foi a leitura para mim no COMEÇO.”? Pois é. Até que eu realmente me colocasse no lugar dela, eu precisei ler mais algumas páginas. O fato é que um “problema” que aparentemente pareça mínimo por um certo tempo, pode se tornar uma enorme bola de neve. Hoje é esse tal problema. Amanhã é MAIS um outro. Ou mesmo daqui quinze minutos. E é justamente essa bola de neve que o leitor acompanha crescer conforme Jensen vai ouvindo as fitas. Logo, minha confissão: Chegou um momento que apesar de não ser para mim a melhor leitura, o livro alcança uma seriedade que é impossível recusar a atenção. Pontos como exclusão, bullying, o poder que uma fofoca pode gerar, depressão, e até mesmo crimes.
Caro leitor, é exatamente isso o que acontece com a personagem. Aqueles treze motivos ou pessoas responsáveis pela sua morte contribuíram DIRETA ou INDIRETAMENTE para uma bola de neve que teve por consequência um suicídio. É impossível, ou melhor, insensível que o espectador dessa história não vá sentir um pouco das dores e ter aquele sentimento tão repulsivo: pena. Agora não falo especificamente do suicídio mas do que ALGUMAS daquelas pessoas relatadas fizeram contra ela. Porque tem histórias E histórias ali. Algumas são REALMENTE chocantes para qualquer pessoa digna de um bom caráter.
Mas então você deve estar se perguntando? “Afinal, o que NÃO tornou a história boa pra você?” Pois bem. Não creio que há algo errado com a história. Eu acredito que cada livro tem um momento certo para entrar em nossas vidas. E para mim esse é o ponto. Se eu fosse a leitora de dez anos atrás, poderia ter me identificado muito melhor: ambiente de escola, colegas que conseguem superar a cada idiotice, pais que parecem nunca nos entender, e por aí vai. Aquele velho filme... Foi uma leitura arrastada? Pra mim foi e olha que o livro é curto. E quanto a escrita do autor na minha opinião foi nada mais e nada menos que OK. A dinâmica/entrosamento entre o que Clay ouve e, ao mesmo tempo, os seus pensamentos descritos na primeira pessoa mais a junção de algumas falas suas com outros personagens é uma ideia boa. Mas na prática não me manteve interessada a continuar virando a página. Exceto para saber o que ele fez. Parte da escrita, principalmente nos diálogos, não vi razão de ter, ou poderiam ser um pouco mais construtivos. Quanto aos lugares, detalhes de ambiente, o escritor soube aprimorar a imaginação. Há elementos ricos que fortalecem sim a criatividade do leitor.
Além disso, há um outro ponto que me pesou. Infelizmente não há como eu aprofundar nele sem dar spoiler. Então só vou comentar por cima. Há duas pessoas, explicações contadas pela personagem do motivo delas estarem ali na sua lista das gravações, que eu particularmente achei egoísta. Ou melhor dizendo, se é que tinham motivos para estarem ali. Como não posso falar muito vou dizer uma coisa que aprendi para definir essa minha queixa: Cada um dá aquilo que pode dar. SIMPLES. A atenção que é cobrada nem sempre é honesta. Temos todos um limite. Ninguém é igual a você. Parece óbvio, mas para algumas pessoas ainda não caiu a ficha. Isso não faz de ninguém uma pessoa boa ou má. Uma pessoa culpada ou inocente. E muito menos merecedora de uma caixa de fitas cassete com seu nome sendo acusado de responsabilidade num suicídio.
Volto a dizer que senti pena dela por diversas circunstâncias e pontuei em várias a sua razão, embora não podemos esquecer que estávamos lendo o seu ponto de vista e, mesmo com os comentários de Clay, em diversas situações expostas ele não estava presente nos fatos narrados, o que acaba se tornado apenas a sua opinião sobre o caso. E quando esteve, minha dica ao leitor é para observar o grau de relação que eles tiveram e ainda em qual ambiente(s)/momento(s) essas mesmas relações aconteceram. Foi(ram) duradoura(s) ou não? Ouro fator importante é que considero que a escolha de tirar sua própria vida já demonstra ser uma pessoa que não está em seu juízo perfeito. Como eu disse, em dois casos achei simplesmente egocêntrica em ousar a mandar um recadinho desses sem no mínimo pensar como a vida daquelas pessoas poderiam mudar. Plantar um sentimento negativo errôneo para sempre naquelas pessoas. E sem direito a defesa. Com certeza ela não estava pensando bem (com inteligência) naquele momento. Todavia, o que aquelas pessoas da gravação escutaram ficará marcado para sempre, deixando de importar o estado de Hannah como justificativa. O que foi dito não tem como voltar atrás. Mas é claro que - volto a repetir - alguns são merecedores daquela análise de consciência para o resto da vida. Outros não. E são por esses que deixo meu pesar e compreensão.  
Ainda sim considero o livro interessante por tratar desse tema tão triste e que infelizmente acontece na vida de muitas famílias, pessoas próximas de nós, amigos. O que eu levo desse livro é que temos que nos policiar mais com os nossos atos, com o que dizemos, com nossas omissões. Um pequeno detalhe pode ser a porta para um desastre. No entanto, até que ponto somos responsáveis pelo que deixamos no outro? Sim, porque acredito que existe uma linha muito tênue entre tomar cuidado com nossas atitudes e sermos responsáveis pelo que o outro sente. E aí parto para o princípio de que temos a obrigação de cuidarmos de nós mesmos de uma forma única que nem pai e mãe conseguem. Isso se chama respeito com nós mesmos ou amor próprio, como quiser. E isso é DEVER de cada um e que, infelizmente, não nos ensinam nas escolas.
Hannah Baker estava mergulhada em uma confusão de sentimentos a qual ela responsabilizou pela sua morte treze pessoas. TREZE.
Quase todas tão imaturas quanto ela.
Termino essa resenha com duas perguntas:
Até que ponto todos eles têm culpa pelo seu suicídio? Até que ponto as coisas que fizeram foram determinantes ou intencionadas para a escolha de Hannah Baker tirar sua própria vida?

Eai, ficou com vontade de ler?! Embarca nessa e me conta depois o que achou! E se você já leu, vou adorar saber sua opinião!!

Grande beijo, até a próxima!
Com amor, Rapha. 

Leia também a resenha da nossa colunista Bruna Constantino sobre o mesmo livro:
http://www.livroeneblina.com/2013/02/os-13-porques.html         


sábado, novembro 12, 2016

[Livro] Harry Potter e a Criança Amaldiçoada



Olá, pessoal!
Como vão?
Bem, hoje a resenha da vez é a da peça de teatro escrita pela minha autora favorita: J.K. Rowling <3
Vou falar sobre Harry Potter e a Criança Amaldiçoada!

Resultado de imagem para a criança amaldiçoada

Título OriginalHarry Potter and the Cursed Child - Part I and II
Autor: J. K. Rowling, John Tiffany and Jack Thorne
Páginas: 352
☁ ☁ ☁

Bem, essa peça é como uma oitava história, e ocorre após Harry Potter e as Relíquias da Morte. Quando foi anunciada que uma peça seria escrita pela Jo e se passaria após o último livro, o mundo potterhead foi à loucura e os ingressos se esgotaram nos dias em que ficou em cartaz. E as críticas foram só elogios. Até que foi anunciado que o roteiro seria lançado. Aqui no Brasil ocorreu no Halloween haha
A trama começa bem onde a última parou: na Estação King's Cross, plataforma 9 3/4, com Harry, Rony e Gina levando os filhos para embarcarem no Expresso de Hogwarts <3 Vemos como eles estão, no que trabalham, etc. Mas a trama se centra no filho mais novo de Harry: Alvo Severo. Veremos como ele vai se sair em seu primeiro ano em Hogwarts. Se eu contar mais é spoiler haha
Estava louca pra ler, mas tive de esperar lançar em português porque meu inglês é uma bosta <//3 Mas enfim, lançou e li.
E o que achei?
Bem... Não gostei tanto assim. A ideia de ter uma nova história, após o final, contada de outra forma é brilhante. Brilhante. As críticas aclamaram a peça, super adoraria ter assistido.
Mas eu acho que o fato de ser publicado como roteiro e não prosa pode ter prejudicado um pouco isso. Por exemplo: ao ler Romeu e Julieta, você não sente o drama como vendo o filme ou assistindo à peça, sabe? A emoção que Jo transmitiu nos livros de Harry Potter não existe. Quero dizer, roteiros não dizem o se passa na cabeça do personagem. As emoções ficam a cargo de atores e diretores. Acho que isso explica o fato de a peça ser aclamada, mas quem eu conheço que leu o livro não gostou.
O fato de ser um roteiro não impede de a história ser brilhante. mas aqui não é caso. A história contada parece mais a segunda temporada de Flash, e isso não é elogio. Quem assiste entenderá. Sem falar que tem cada acontecimento bizarro. Bizarro.
Enfim, Harry Potter e a Criança Amaldiçoada foi abaixo do que esperava. Talvez por que esperei demais haha
Agora cabe a vocês erem pra ver se concordam ou não comigo :D

sexta-feira, novembro 11, 2016

PotterDay - Vem conferir tudo que rolou!

E ai, neblineiros e neblineiras? Curiosos para saber mais sobre o PotterDay, o 1º evento que realizei para os fãs da saga Harry Potter aqui em Londrina?

Eu fiquei muito feliz com o evento, com todos os fãs que foram e estou muito grata a toda a colaboração que tive!

Agora é hora de vocês conferirem todas as fotinhas desse maravilhoso evento realizado em parceria com o Sebo Capricho, a Festas de Babette e a Delicanecas!






Eu e o ganhador do Concurso de Cosplay! A melhor interpretação de Voldemort do evento mereceu uma caneca das casas feita pela empresa Delicanecas!

e tivemos um desafio dos feijõezinhos de todos os sabores!





eles dois acertaram os sabores e ganharam ilustrações lindas feitas pela Kate Mostachi
Me senti muito honrada em poder autografar um livro para fãs da saga!

que foi entrevistada por mim no evento em meu momento Rita Skeeter! Ela contou um pouco mais sobre sua paixão por Harry Potter e sobre sua carreira como ilustradora.


Houve também a exibição de alguns itens de colecionador do mundo de Harry Potter

Olhem que lindos os detalhes da decoração feita pela empresa Festas de Babette



Assim como os maravilhosos desenhos feitos pela Kate!


Tinham até caldeirões e caveiras para você se sentir em uma aula de poções nas masmorras com o professor Snape!

Meu item favorito dentre toda a decoração feita pela festas de Babette: Pomos de ouro! Eram uma perfeição!


O sebo também estava decorado com as cores da Grifinória para entrar no clima da leitura!


Os fãs que se inscreveram no formulário google que disponibilizei na página do evento receberam uma carta de aceitação em Hogwart + a lista de materiais.

entrevistei também a Carol Sayuri, uma londrinense que é dona de um RPG de Harry Potter!

sabe o que mais rolou? Duelo de feitiços!





olha nossa querida colunista Raphaela Tasmo duelando também! Haha

Varinhas também descansam?

dá pra ver que a Rapha se divertiu né? 


e temos nosso vencedor dos duelos de feitiços! Ele ganhou um livro Harry Potter e a criança amaldiçoada do Sebo Capricho!


exibição das fotos autografadas pelo elenco!


ao final os presentes receberam um ticket de embarque a plataforma 9 3/4



E esse foi o ganhador do sorteio dessa linda caneca plataforma 9 3/4 da Delicanecas
A Carol Sayuri, nossa convidada, foi quem ganhou o sorteio da ilustração da Kate Mostachi. Olhem que linda essa ilustra da Hermione!

E essa linda potterhead foi quem ganhou o sorteio do livro Harry Potter e a criança amaldiçoada feito pelo Sebo Capricho!

todos que foram ao evento receberam um marcador de páginas feito em parceria entre o sebo capricho, o blog, a Kate Mostachi e a SJR comunicações.

Outra imagem de nosso expositor de itens colecionáveis!

ao final do evento, realizei a leitura do 1º capítulo do livro Harry Potter e a criança Amaldiçoada para os fãs.

Quero agadecer demais a todos que foram ao evento, seja quem ficou até o último minuto comigo, como foi o caso dessa galerinha maravilhosa da foto, ou quem ficou 15 minutinhos. Eu amei a presença de todos, adorei a participação de todos e os aguardo na 2ª edição do evento ano que vem!




Vamos agora a algumas fotos com um pouco menos de qualidade, mas extremamente divertidas do evento?